Ameaças cibernéticas a organizações financeiras em 2022

Ameaças cibernéticas a organizações financeiras em 2022

Trojans bancários brasileiros serão uma das maiores ameaças em 2022: com a transição para o uso de serviços bancários em dispositivos móveis, grupos de criminosos que tradicionalmente procuram por brechas no Windows deverão expandir seus portfólios e consolidar o desenvolvimento de trojans bancários e de acesso remoto em dispositivos Android. As informações são do site Securelist da Kaspersky.

Fonte: https://securelist.com

Wi-Fi gratuitas expõe dados de brasileiros

Wi-Fi gratuitas expõe dados de brasileiros

A falha foi identificada em 2 de setembro de 2021. O Amazon S3 Bucket desprotegido do WSpot estava ativo e sendo atualizado no momento da descoberta.

Empresa que gerencia redes Wi-Fi gratuitas expõe dados de brasileiros: uma falha de configuração em um “S3 Bucket” da empresa WSpot, que fornece solução Wi-Fi para outras empresas como Pizza Hut e Unimed, expôs mais de 226 mil arquivos, totalizando 10 GB de dados, comprometendo nomes, endereços, datas de nascimento, emails, CPFs e senhas de 2,5 milhões de brasileiros. A WSpot afirma, no entanto, que os dados não foram captados por agentes maliciosos. As informações são do site Convergência Digital.

Essas empresas que vazaram podem encontrar golpes e tentativas de phishing semelhantes usando os detalhes de seus visitantes. Pessoas mal-intencionadas podem entrar em contato com as empresas enquanto se apresentam como um cliente que visitou a loja no passado, referindo sua experiência ou o serviço da empresa como um motivo para sua comunicação.

Fonte: https://www.convergenciadigital.com.br

Lista mostra as senhas mais comuns em vazamentos no Brasil

As três senhas mais comuns no Brasil

Pesquisa mostra que brasileiros utilizam sequências de números e nomes comuns como senhas: “123456”, “123456789” e “Brasil” são as três senhas mais comuns no País, segundo uma pesquisa da Nordpass, que obteve os dados através de vazamentos. A palavra “senha” aparece em sexto lugar, e o primeiro nome, “Gabriel”, fica na décima quinta posição. Apesar das 125 milhões de senhas vazadas apenas em 2021, a Nordpass afirma que o Brasil pode ser considerado um país com baixo risco de vazamentos. As informações são do site TecMundo.

Confira as 50 senhas mais comuns em vazamentos no Brasil:

  1. 123456
  2. 123456789
  3. Brasil
  4. 12345
  5. 102030
  6. senha
  7. 12345678
  8. 1234
  9. 10203
  10. 123123
  11. 123
  12. 1234567
  13. 654321
  14. 1234567890
  15. gabriel
  16. abc123
  17. q1w2e3r4t5y6
  18. 101010
  19. 159753
  20. 123321
  21. senha123
  22. mirantte
  23. flamengo
  24. felicidade
  25. qwerty
  26. felipe
  27. 121212
  28. 111111
  29. 142536
  30. familia
  31. password
  32. sucesso
  33. vitoria
  34. matheus
  35. rafael
  36. junior
  37. 112233
  38. gustavo
  39. mariana
  40. 1q2w3e4r
  41. 000000
  42. novo
  43. 131313
  44. lucas123
  45. estrela
  46. daniel
  47. musica
  48. camila
  49. eduardo
  50. guilherme

Fonte: https://www.tecmundo.com.br

Pais e professores de Portugal estão preocupados com crianças que «só falam brasileiro»

Pais e professores de Portugal estão preocupados com crianças que «só falam brasileiro»

O motivo seria a constante exposição a conteúdos criados por youtubers brasileiros, especialmente durante a pandemia. Segundo a professora de linguística Catarina Menezes, o “pânico social” em relação ao assunto seria infundado, já que a mesma situação já aconteceu no passado, com a massificação das novelas brasileiras no país. As informações são do jornal Diário de Notícias.

Fonte: https://www.dn.pt

Empresa de recrutamento Crossover realiza "torneio de contratação" para identificar e contratar brasileiros para atender empresas dos EUA

Procura-se programadores para trabalho remoto. Salário de até R$ 321 mil

Empresa de recrutamento Crossover realiza “torneio de contratação” para identificar e contratar brasileiros para atender empresas dos EUA

A Crossover, empresa de recrutamento e tecnologia com sede no Texas (EUA), está oferecendo aos brasileiros a oportunidade de trabalhar para empresas norte-americanas, ganhando salário de primeiro mundo, sem a necessidade de deixar o conforto e a estabilidade do seu país de origem.

No próximo dia 26 de agosto, a Crossover realiza no Rio de Janeiro seu segundo “torneio de contratação” no Brasil. Desta vez ela está buscando até 50 engenheiros de software sênior, especializados em Ruby on Rails e/ou PHP, e acenando com um salário anual de até R$ 321 mil, para trabalhar remoto, de casa no Brasil, atendendo em empresas de software dos EUA. 

Empresa de recrutamento Crossover realiza "torneio de contratação" para identificar e contratar brasileiros para atender empresas dos EUA

Os programadores com a experiência necessária em Ruby on Rails ou PHP e interessados em participar do torneio de contratação devem se inscrever no site oficial do evento. Os assentos são limitados a 200 pessoas.

No mês passado, a Crossover realizou uma competição de codificação de um dia em São Paulo, que reuniu 133 brasileiros e selecionou 27 especialistas em Java Script para trabalhar remotamente. A Crossover calcula que o evento gerou mais de US$ 2 milhões à economia do país em apenas 24 horas.

No evento do mês passado, em São Paulo, a Crossover confirmou a contratação de 11 engenheiros de software sêniores em JavaScript, cada um ganhando R$ 321 mil por ano, e 16 engenheiros de software em JavaScript, cada um ganhando R$ 187 mil por ano.

A Crossover começou a organizar seus eventos de contratação gamificada e competitiva de um dia no início do ano, em toda a Europa Oriental, África do Norte e Ásia Ocidental, incluindo Polônia, Rússia, Egito e Paquistão. 

Semelhante a um “hackathon”, eles envolvem profissionais seniores — principalmente engenheiros de software — para uma série de testes básicos, alguns desafios de codificação, e uma entrevista técnica. Para aqueles que se destacam com os melhores resultados é oferecido, na hora, emprego remoto com empresas americanas, como Aurea Software, Jive, CrazyEgg e Versata. 

“Após o sucesso do nosso evento no mês passado em São Paulo, onde injetamos mais de US$ 2 milhões na economia brasileira praticamente da noite para o dia, estamos de volta, desta vez com o objetivo de contratar até 50 programadores”, disse Andy Tryba, CEO da Crossover. “Dada a instabilidade dos imigrantes no mundo atualmente, acreditamos que os brasileiros acharão a possibilidade de trabalhar em casa, ganhando um salário no nível dos EUA, ainda mais atraente”.

Todos os cargos são de período integral e de longa duração, e os contratados devem trabalhar 40 horas por semana em horário flexível.  Os funcionários podem, por exemplo, aproveitar a Lapa em uma noite de quinta-feira, tirar folga na sexta-feira e trabalhar mais no sábado; ou trabalhar durante a noite e relaxar na praia de Ipanema durante o dia.

Com todas as posições 100% remotas, aqueles que são contratados pela Crossover não precisarão — nem se espera isso deles — se mudarem. Os funcionários podem realizar o trabalho de onde quiserem, seja no Rio de Janeiro, Lisboa ou Londres. Ao permanecer no Brasil, no entanto, o dinheiro fornecido pela Crossover é injetado diretamente na economia do país.

“Uma vez que um engenheiro de software brasileiro experimenta a liberdade do trabalho remoto, ele não tende a retornar ao trabalho fixo em escritório”, diz Tryba.