Primeiro cabo submarino entre Brasil e Europa entra em funcionamento

Primeiro cabo submarino entre Brasil e Europa entra em funcionamento

A infraestrutura proporciona uma redução de 50% na latência em comparação com rotas que antes precisavam transitar pela América do Norte, fator crucial para provedores de conteúdo, empresas de cloud e do setor financeiro. As informações são do site Convergência Digital.

“Mais dados do que nunca estão sendo produzidos e processados agora — e praticamente todos os bytes de dados que se movem pela internet tocam um cabo submarino. Como resultado disso, as organizações exigem acesso a redes de alta capacidade e baixa latência, capazes de conectá-las a data centers em todos os oceanos com os mais altos níveis de confiabilidade.”, esclarece Jim Poole, VP de Business Development da Equinix.

Fonte: https://www.convergenciadigital.com.br

Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm, visita o Brasil

Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm, visita o Brasil

Amon, que é brasileiro, afirma que há espaço para o País no setor de semicondutores se houver disposição política para investimentos significativos, em uma escala de centenas de bilhões de reais. Por enquanto, não há planos para uma fábrica da empresa por aqui. As informações são do site Mobile Time.

Formado em engenharia elétrica pela Unicamp, Amon está na Qualcomm desde 1995. Antes de ser efetivado como presidente, em 2018, o executivo atuou como vice-presidente da divisão de tecnologia da empresa, liderou o braço de investimentos, supervisionou fusões e aquisições, além de ter trabalhado em várias funções técnicas na companhia.

Fonte: https://www.mobiletime.com.br

Engenheiro da computação cearense cria dispositivos para deficientes físicos

Engenheiro da computação cearense cria dispositivos para deficientes físicos

Junior Prado, que nasceu com paralisia cerebral, desenvolveu um mouse, editor de texto e escrita sem teclado para possibilitar que pessoas com dificuldades motoras consigam utilizar computadores de forma independente. Os dispositivos têm como vantagem o baixo custo de fabricação e estão em fase de aperfeiçoamento, com perspectivas de comercialização. As informações são da Agência Brasil.

As escolas não aceitavam pessoas com deficiência, na época. Meu pai tentou várias delas, e acabaram indicando a Apae de Sobral. Na triagem, a médica disse que, no meu caso, não seria interessante estudar lá. Eu poderia receber atendimento médico nas áreas de fonoaudiologia, fisioterapia e terapia ocupacional, porque o meu sistema cognitivo não tinha sido afetado. Assim, eu deveria ter aulas em escolas regulares. Meu pai voltou a tentar e conseguiu me matricular em uma escola particular pequena e eu comecei a estudar com 8 anos de idade, depois que fiz uma cirurgia e aprendi a andar.

Junior Prado
Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br

Bolt apresenta sua scooter de quarta geração

A Bolt é mais conhecida por seu serviço de caronas. Mas a empresa também opera um serviço de scooters elétricos em 45 cidades da Europa. Projetado pela equipe interna de hardware da empresa, o novo modelo tem como foco a segurança.

Como você pode ver na foto, é uma grande scooter que pesa 19 kg – mais do que uma bicicleta normal. Tem uma bateria com alcance de 40km e é essencialmente feito de alumínio.

A empresa afirma que deve durar até 60 meses graças ao design modular. Parafuso pode substituir peças sem ter que substituir totalmente a scooter.

Nos bastidores, você encontrará sensores integrados para detectar acidentes e pilotagem insegura. Se você cair ou frear bruscamente, Bolt pode ser alertado. A scooter também reconhece padrões de condução inseguros. Combinado com avisos sonoros e visuais, ele deve educar os passageiros sobre o que você deve fazer e o que não deve fazer.

No painel integrado, você pode receber alertas informando que está andando em uma área de pedestres ou em uma área de baixa velocidade. Você também pode ver se tem permissão para estacionar nesta área. Bolt planeja acender a luz frontal piscando quando você entrar em uma área de pedestres ou de baixa velocidade.

Como a maioria dos modelos de e-scooter modernos, o Bolt pode trocar a bateria sem ter que mover a scooter inteira. É muito mais eficiente recarregar baterias removíveis do que as próprias scooters.

Algumas semanas atrás, Bolt revelou planos para dobrar o número de scooters. Ela planeja operar um serviço de scooters em mais de 100 cidades em 2021. Pode haver até 130.000 scooters e bicicletas elétricas nas cidades europeias. Vamos ver se a empresa cumpre seu ambicioso roteiro para 2021.