MPF pressiona Congresso por Convenção de Budapeste e vigilância online

MPF pressiona Congresso por Convenção de Budapeste e vigilância online

Ministério Público Federal defende inclusão de medidas de vigilância online generalizada na legislação brasileira: o órgão quer que o Senado aprove a Convenção de Budapeste, tratado internacional sobre a tipificação penal de crimes cometidos pela internet, permitindo que órgãos de persecução penal sejam imediatamente comunicados por sites e plataformas sobre eventuais crimes praticados por seus usuários. As informações são do site Convergência Digital.

“A mera aprovação da Convenção, por si só, não cria os novos tipos penais”, esclareceu. Segundo o membro do MPF, essa regulamentação está prevista no PL 5441/2020, que define os crimes cibernéticos e dá outras providências. No entanto, a proposta foi apensada ao PL 3357/2015, que não tem a mesma amplitude, na avaliação do MPF. “O PL 5441/2020 ficou um tanto eclipsado por essa movimentação. É um projeto interessante, que trata de todos os crimes que são instituídos pela Convenção de Budapeste”

George Lodder – procurador da República

Fonte: https://www.convergenciadigital.com.br

Reconhecimento de recém-nascidos pela orelha

Reconhecimento de recém-nascidos pela orelha

Empresa brasileira pretende lançar sistema de reconhecimento de recém-nascidos por imagens das orelhas: a biometria facial e digital não funciona bem em recém-nascidos. O sistema desenvolvido pela Vsoft, em parceria com a Universidade Federal da Paraíba, o primeiro no mundo, capta as linhas dentro das orelhas (iguais durante toda a vida) através de uma câmera de smartphone comum. Segunda a empresa, a identificação neonatal serve para emissão de CPFs de bebês e identificação em planos de saúde. As informações são do site Mobile Time.

“A identificação neonatal é importante porque os bebês já nascem precisando de um CPF para terem planos de saúde”

Pedro Alves, CEO VSoft

Fonte: https://www.mobiletime.com.br